13 Novembro 2016

Viajar com agência ou por conta própria?

tempo de leitura: 3 minutos, 40 segundos
Felipe Santos

viajar com agência intercâmbio austrália sydney morar na austrália escolas de inglês universidades na austrália

No começo pode até parecer coisa simples, mas só quem já mora aqui há muitos anos e tem muito conhecimento sobre o assunto para saber como as coisas funcionam. Viajar por conta própria pode até parecer uma ótima opção para economizar dinheiro, mas na realidade não é. A dor de cabeça e o prejuízo que todo o processo podem causar, com certeza não vão compensar.

Muitos alunos têm dúvidas sobre a importância de contratar ou não uma agência para vir estudar na Austrália. Será que é possível e mais barato viajar por conta própria? Será que as agências recebem comissões? E se eu tentar comprar por conta própria e pedir um desconto? Ou então pedir ajuda para aquele amigo que já mora no país há alguns anos e encontrou até emprego. Por que não?

No começo pode até parecer coisa simples, mas só quem já mora aqui há muitos anos e tem muito conhecimento sobre o assunto para saber como as coisas funcionam. Viajar por conta própria pode até parecer uma ótima opção para economizar dinheiro, mas na realidade não é. A dor de cabeça e o prejuízo que todo o processo podem causar, com certeza não vão compensar.

Para você entender melhor, aí vai o depoimento de quem vive há muitos anos na Austrália e está envolvida com o setor de Educação:

1) O primeiro ponto é sobre as escolas. Escola boa, decente, não vende curso no balcão, pois elas estariam concorrendo com seus próprios representantes, de quem elas dependem para sobreviver.

2) Nem mesmo as escolas premium, como as Universidades, ou as de primeira linha dão muito apoio local aos estudantes. Elas simplesmente não têm equipe disponível para isto. Todas as escolas possuem uma pessoa de Marketing que oferece uma ajuda básica quando o estudante chega aqui. E mais: nenhuma escola - nem mesmo as escolas premium - possuem agente de imigração interno para dar orientação com relação ao processo do visto. Se tivessem, cobrariam por este trabalho, porque aqui na Austrália nenhum profissional sério trabalha de graça.

3) É ilegal na Austrália um provedor de produtos ou serviços, vender o mesmo produto ou serviço com preços diferentes, dependendo de quem compra. Isto dá processo e indenizações altas. Portanto, não existe essa conversa da escola vender mais barato para o aluno. O que pode acontecer é a agência no Brasil ter colocado mark-up no preço da escola. Mas o estudante vai receber uma carta de oferta e uma nota fiscal da escola com os preços corretos. Ou será que alguém paga uma viagem de estudos desse tamanho e não pede nota fiscal da escola para quem vai o seu pagamento?

Por essas e outras é muito importante pesquisar muito, desconfiar das ofertas muito baratas e encontrar uma agência de confiança. Algumas agências no Brasil mentem quanto à qualidade das escolas e com relação às oportunidades de trabalho na Austrália. Algumas cobram valores acima das tabelas, vendem cursos desnecessários, vendem os cursos cobrando dólar turismo quando deveriam cobrar dólar de estudante, ou dólar comercial, vendem seguro-viagem ao invés do seguro-saúde obrigatório australiano, prometem mas não dão suporte de verdade aos estudantes quando eles chegam aqui, etc etc. etc.

Com toda a experiência de anos de trabalho pela Superstudent, posso escrever vários roteiros de filmes dramáticos só com as histórias da moçada que chega aqui toda torta por causa da desonestidade e irresponsabilidade de algumas agências brasileiras. Porém, se alguma delas trabalhar corretamente, qual o problema dela receber comissão das escolas?

Em tudo o que consumimos tem várias comissões embutidas. Em todos os momentos da cadeia produtiva, pessoas recebem comissão pela venda de um produto ou serviço. Então, se preocupem menos com o ganho dos outros e foquem no que é fundamental para vocês: a segurança na hora de contratar seu curso, a escolha de uma boa escola e a decisão da cidade certa para morar aqui na Austrália.

Marlene Coimbra - Jul/2016

Comentários